Guerra Fria

Ao término da Segunda Guerra Mundial toda população mundial se alegrou esperando um longo período de paz e tranquilidade, porém não foi isso que ocorreu. Após derrotarem os Nazistas, os Estados Unidos da América (EUA) e a União Soviética (URSS) iniciaram um longo e conturbado período de conflitos pela hegemonia política mundial, na qual cada país buscava a consagração do seu sistema político e econômico, e a conquista de zonas de influência. Esse período foi denominado Guerra Fria.

A Guerra Fria foi uma guerra totalmente diferente de todas as outras, uma vez que em nenhum momento teve conflito armado. Os dois países tinham noção de que ao iniciarem um conflito a toda força entre eles, a continuação da espécie humana e o desenvolvimento mundial estaria seriamente comprometido. A “luta” entre os países se dava no campo do medo e do terror, cada país buscava ter um armamento ou uma inovação tecnológica que o outro não possuía, causando ao outro o medo da aniquilação. O cientista político Raymond Aron, define a Guerra Fria como um período "em que a guerra era improvável, e a paz, impossível."

Os dois países não estavam sozinhos nesse confronto, foram instaurados dois blocos militares: a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e o Pacto de Varsóvia. A OTAN, liderada pelos norte-americanos, teve como primeiros membros: França, Grã-Bretanha, Canadá, Bélgica, Dinamarca, Islândia, Itália, Luxemburgo, Holanda, Noruega, Portugal, Espanha, Grécia e Turquia. Defendiam o sistema capitalista, sem a participação do Estado na economia, com diferentes classes sociais e propriedade privada.

Já o Pacto de Varsóvia, liderado pelos soviéticos, foi inicialmente composto por: Albânia, Alemanha Oriental, Bulgária, Tchecoslováquia, Romênia, Polônia e Hungria. Defendiam um regime comunista, em que não existisse pobres nem ricos, sem propriedade privada e classes sociais. O Estado seria o responsável pela execução de políticas básicas como moradia, transporte e saúde.

Harry TrumanO presidente Harry Truman foi o criador da Doutrina Truman.O presidente Harry Truman foi o criador da Doutrina Truman.

Em busca da extinção das ideias comunistas do mundo, os Estados Unidos apoiadas na Doutrina Truman – que coloca a aniquilação do comunismo como uma missão dos EUA – inicia uma série de investimentos e ajuda militar e econômica a aqueles países que não compartilham dos ideais comunistas. Essa política teve fortes influências na América Latina, uma vez que temiam pela promulgação do sucesso revolucionário cubano, os norte-americanos apoiaram e financiaram a ascensão, e posterior manutenção, das políticas ditatoriais da América do Sul, inclusive no Brasil. A Guerra do Vietnã foi o exemplo mais famoso de intromissão estadunidense, apesar de falho.

Em contra partida a política norte-americana, a União Soviética inicia um processo de promulgação do comunismo, fornecendo ajuda militar e econômica a todos os países que buscam uma revolução interna. Além disso, promove uma integração entre os Partidos Comunistas (PC) espalhados pelo mundo, tornando-os satélites do PC de Moscou.

O conflito entre os dois blocos resultou em duas grandes corridas: a armamentista e a espacial. Durante a Segunda Guerra, com receio de Hitler ter acesso antes deles, os Estados Unidos intensificaram seus investimentos na produção de bombas nucleares. Esse investimento foi bem sucedido, tanto que em 1945 o primeiro teste nuclear foi realizado no deserto de Alamogordo e pouco depois chocaram o mundo com a bomba solta em Hiroshima e Nagasaki. Apenas quatro anos depois, a União Soviética acabaria com este monopólio, iniciando a produção de suas próprias bombas nucleares. Ambos os países aderiram em massa os mísseis “V-2” eternizados por Hitler e a compra massiva de armamentos de última geração.

Além de armamentos, os países desenvolveram bases subterrâneas e compraram imensos submarinos, responsáveis pelos lançamentos dos mísseis adquiridos. O investimento científico também se mostrou eficaz, pois foram criados mísseis antibalísticos, que detectavam e detonavam os mísseis adversários antes destes chegarem ao destino final. Em 1962, ocorreu o primeiro momento de grande tensão na guerra armamentista: a crise dos mísseis em Cuba. Um avião da CIA, agência de espionagem criada pelo governo norte-americano, detectou movimentações de uma possível instalação de mísseis em Cuba, território a pouco mais de 200 quilômetros de distância dos EUA. O presidente dos EUA, John Kennedy, foi enfático ao ameaçar o governo soviético que qualquer ataque causaria em um revide nuclear. O que resultou num recuo soviético e a instalação do pânico em todo mundo.

O homem na LuaBuzz Aldrin (foto) estava na missão espacial comandada por Neil Armstrong, quando o homem pisou pela primeira vez na Lua.Buzz Aldrin (foto) estava na missão espacial comandada por Neil Armstrong, quando o homem pisou pela primeira vez na Lua.

A corrida espacial tinha como objetivo mostrar que seu sistema era o mais avançado possível e provocou uma grande ascensão científica. A União Soviética saiu na frente com o lançamento do Projeto Sputnik, em 1957, que foi o primeiro objeto terrestre a alcançar o espaço. No mesmo ano, a URSS chocou o mundo novamente, lançando o primeiro ser vivo ao espaço: a cachorra Laika, a bordo do Sputnik 2. Em 1961, a URSS deu um salto tecnológico impensável a época: lançou o primeiro homem ao espaço. Esse homem foi o cosmonauta Yuri Gargarin, que ficou no espaço por quase duas horas e foi responsável pela célebre frase: “A Terra é azul”. Em 1969, os Estados Unidos responderam aos avanços soviéticos e o mundo inteiro pode acompanhar pela televisão Neil Armstrong e Edwin Aldrin pisarem pela primeira vez na Lua.

Com fortes investimentos em ciência e armamentos a economia soviética chegou à década de oitenta a beira do colapso. Faltavam alimentos de necessidade básica nas prateleiras, o desemprego batia as portas de muitas famílias, a qualidade de vida caia a cada ano e a população estava insatisfeita. Durante todo esse caos surge uma nova figura política: Mikhail Sergueievitch Gorbatchev. Em 1985, assume o Partido Comunista e surpreende a todos declarando uma moratória nuclear unilateral e anunciando um programa de reformas políticas e econômicas (Perestroica e Glasnost). Em 1989, promove as primeiras eleições soviéticas ao Parlamento e no ano seguinte extingue o Pacto de Varsóvia.

Com a política de Gorbatchev e a crise econômica, o comunismo foi se enfraquecendo. Em 1991, Boris Ieltsin proclama a independência da Rússia e a instauração da Comunidade dos Estados Independente, decretando o fim da União Soviética e o encerramento da Guerra Fria.

Exercícios de Guerra Fria

(MAUÁ-SP) Sobre a Guerra Fria podemos afirmar que se iniciou:

  • após a Segunda Guerra Mundial, quando a luta de caráter ideológico entre a União Soviética e os Estados Unidos aliou-se a uma luta pela hegemonia do mundo. x
  • quando os Estados Unidos interferiram belicamente no Vietnã, provocando a reação soviética.
  • quando foram definidas as áreas de influência no Oriente Médio entre a União Soviética e os Estados Unidos.
  • como reação dos Estados Unidos, quando houve a partilha da Alemanha em Ocidental e Oriental.
  • n.d.a.

(U. Lorena-SP) A “Guerra Fria” foi a expressão utilizada para caracterizar um tipo de política externa decorrente:

  • dos conflitos continuados no Oriente Médio.
  • da polarização do mundo em dois blocos político-militares, após a 2ª Guerra Mundial. x
  • da polarização do mundo em dois blocos político-militares, entre as duas guerras mundiais.
  • das batalhas de preços entre países exportadores de matérias-primas e países exportadores de bens industrializados.
  • da inclusão das áreas Ártica e Antártica nas zonas de segurança militar, após a 2ª Guerra Mundial.
Bibliografia
  • Série Guerra Fria – TV Cultura
  • GADDIS, John Lewis. História da Guerra Fria. 1ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

Gustavo Couceiro

Ciências Sociais - Unicamp

Confira também