Racha Cuca
11 (Unesp 2013 - Primeira Fase)

Instrução: As questões de números 11 a 15 tomam por base um poema de Luís Delfino (1834-1910) e a reprdução de um mosaico da Catedral de Monreale.

Jesus Pantocrátor1

Há na Itália, em Palermo, ou pouco ao pé, na igreja
De Monreale, feita em mosaico, a divina
Figura de Jesus Pantocrátor:
domina Aquela face austera, aquele olhar troveja.

Não: aquela cabeça é de um Deus, não se inclina.
À árida pupila a doce, a benfazeja
Lágrima falta, e o peito enorme não arqueja
À dor. Fê-lo tremendo a ficção bizantina2.

Este criou o inferno, e o espetáculo hediondo
Que há nos frescos3 de Santo Stefano Rotondo4;
Este do mundo antigo espedaçado assoma...

Este não redimiu; não foi à Cruz: olhai-o:
Tem o anátema5 à boca, às duas mãos o raio,
E em vez do espinho à fronte as três coroas de Roma.

(Luís Delfino. Rosas negras, 1938.)

  • (1) Pantocrátor: que tudo rege, que governa tudo.
  • (2) Bizantina: referente ao Império Romano do Oriente (331453 d.C.) e às manifestações culturais desse império.
  • (3) Fresco: o mesmo que afresco, pintura mural que resulta da aplicação de cores diluídas em água sobre um reves tmento ainda fresco de argamassa, para facilitar a absorção da tinta.
  • (4) Santo Stefano Rotondo: igreja erigida por volta de 460 d.C., em Roma, em homenagem a Santo Estêvão (Stefano, em italiano), mártir do cristianismo.
  • (5) Anátema: reprovação enérgica, sentença de maldição que expulsa da Igreja, excomunhão.
Figura de Cristo Pantocrátor(Catedral de Monreale, Itália.)(Catedral de Monreale, Itália.)

Neste soneto de Luís Delfino ocorre uma espécie de diálogo entre o texto poético e uma impressionante figura de Jesus Cristo Pantocrátor, com 7m de altura e largura de 13,30m, criada por mestres especializados na técnica bizantina do mosaico, na abside da catedral de Monreale, construída entre 1172 e 1189. A figura de Cristo Pantocrátor, feita em mosaicos policromos e dourados, pode ser vista ainda hoje na mesma cidade e igreja mencionadas na primeira estrofe. Colocando-se diante dessa representação de Cristo, o eu lírico do soneto

Tópicos dessa questão: Português
12 (Unesp 2013 - Primeira Fase)

(Texto e imagem para responder às questões de números 11 a 15)

A leitura do soneto revela que o poeta seguiu o preceito parnasiano de só fazer rimar em seus versos palavras pertencentes a classes gramaticais diferentes, como se observa, por exemplo, nas palavras que encerram os quatro versos da primeira quadra, que rimam conforme o esquema ABBA. Consideradas em sua sequência do primeiro ao quarto verso, tais palavras surgem, respectvamente, como

Tópicos dessa questão: Português
13 (Unesp 2013 - Primeira Fase)

(Texto e imagem para responder às questões de números 11 a 15)

À árida pupila a doce, a benfazeja / lágrima falta.

A inversão das posições usuais dos termos da oração, provocada pela necessidade de completar o número de sílabas e obedecer às posições dos acentos tônicos nos versos, por vezes dificulta a percepção das relações sintáticas entre esses termos. É o caso da oração destacada, que ocupa o sexto e parte do sétimo versos. Em discurso não versificado, essa oração apresentaria usualmente a seguinte disposição de termos:

Tópicos dessa questão: Português
14 (Unesp 2013 - Primeira Fase)

(Texto e imagem para responder às questões de números 11 a 15)

O pronome demonstrativo este, empregado no início dos versos de números 9, 11 e 12, faz referência

Tópicos dessa questão: Português
15 (Unesp 2013 - Primeira Fase)

(Texto e imagem para responder às questões de números 11 a 15)

Segundo um dos dogmas da doutrina cristã, Jesus Cristo nos resgatou e nos reconciliou com Deus por meio de seu sacrifício na cruz. Aponte o verso do poema que nega explicitamente esse dogma para a imagem de Cristo Pantocrátor.

Tópicos dessa questão: Português
16 (Unesp 2013 - Primeira Fase)

Instrução: As questões de números 16 a 20 tomam por base dois trechos de um artigo de Alexandre Oliva sobre a importância do uso de software na educação.

Software Livre, isto é, software que respeita as libedades dos usuários de executar o software para qualquer propósito, de estudar o código fonte do software e adaptá-lo para que faça o que o usuário deseje, de fazer e distribuir cópias do software, e de melhorá-lo e distribuir as melhorias, permite que pessoas usem computadores sem abrir mão de serem livres e independentes, sem acei tar condições que os impeçam de obter ou criar conheci mento desejado.

Software que priva o usuário de qualquer dessas liberdades não é Livre, é privativo, e mantém usuários divididos, dependentes e impotentes. Não é uma questão técnica, não tem nada a ver com preço nem com a tarefa prática desempenhada pelo software. Um mesmo progrma de computador pode ser Livre para alguns usuários e não-Livre para outros, e tanto os Livres quanto o privativos podem ser grátis ou não. Mas além do conhecmento que foram projetados para transmitir, um deles ensinará liberdade, enquanto o outro ensinará servidão.

[...]

Se o usuário depender de permissão do desenvolvedor do software para instalá-lo ou utilizá-lo num computador qualquer, o desenvolvedor que decida negá-la, ou exija contrapartida para permiti-la, efetivamente terá controle sobre o usuário. Pior ainda se o software armazenar informação do usuário de maneira secreta, que somente o fornecedor do software saiba decodificar: ou o usuário paga o resgate imposto pelo fornecedor, ou perde o próprio conhecimento que confiou ao seu controle. Seja qual for a escolha, restarão menos recursos para utilizar na educação.

Ter acesso negado ao código fonte do programa impede o educando de aprender como o software funcina. Pode parecer pouco, para alguém já acostumado com essa prática que pretende também controlar e, por vezes, enganar o usuário: de posse do código fonte, qualquer interessado poderia perceber e evitar comportamento indesejável, inadequado ou incorreto do software. Através dessa imposição de impotência, o fornecedor cria um monopólio sobre eventuais adaptações ao software: só poderão ser desenvolvidas sob seu controle. Pior ainda: cerceia a curiosidade e a criatividade do educando. Crianças têm uma curiosidade natural para saber como as coisas funcionam. Assim como desmontam um brin que do para ver suas entranhas, poderiam querer entender o software que utilizam na escola. Mas se uma criança pedir ao professor, mesmo o de informática, que lhe ensine como funciona um determinado programa privativo, o professor só poderá confessar que é um segredo guardado pelo fornecedor do software, que a escola aceitou não poder ensinar ao aluno. Limites artificiais ao que os alunos poderão almejar descobrir ou aprender são a antítese da educação, e a escolha de 2modelos de negócio de software baseados numa suposta necessidade de privação e controle desse conhecimento não deve ser incentivada por ninguém, muito menos pelo setor educacional.

(Alexandre Oliva, Software privativo é falta de educação. http://revista.espiritolivre.org)

De acordo com a argumentação do especialista Alexandre Oliva, a principal característica de um software livre consiste em

Tópicos dessa questão: Português
17 (Unesp 2013 - Primeira Fase)

(Texto para responder às questões de números 16 a 20)

Conforme aponta o autor no terceiro parágrafo, um dos problemas dos programas privativos é

Tópicos dessa questão: Português
18 (Unesp 2013 - Primeira Fase)

(Texto para responder às questões de números 16 a 20)

Crianças têm uma curiosidade natural para saber como as coisas funcionam.

No contexto em que surge, no último parágrafo, esta frase aponta um fato que reforça o argumento de Alexandre Oliva, segundo o qual

Tópicos dessa questão: Português
19 (Unesp 2013 - Primeira Fase)

(Texto para responder às questões de números 16 a 20)

No fragmento do artigo apresentado, em todas as referências a software, a palavra “Livre” aparece com inicial maiúscula e a palavra “privativo” com inicial minúscula. Aponte a alternativa que explica essa diferença em função do próprio contexto do artigo:

Tópicos dessa questão: Português
20 (Unesp 2013 - Primeira Fase)

(Texto para responder às questões de números 16 a 20)

[...] cerceia a curiosidade e a criatividade do educando.

A forma verbal cerceia, nesta frase do último parágrafo, significa:

Tópicos dessa questão: Português

Página 2 de 2

Veja também

Caça Palavras
Caça Palavras

Encontre todas as palavras nos caça palavras diários (fácil, médio e difícil) e temáticos.

Jogo da Memória
Jogo da Memória

Concentre-se e use a memória para encontrar e formar todos os pares.

Jogo da Forca
Jogo da Forca

Descubra quais são as palavras ocultas antes que seja tarde demais.

Teste de Einstein
Teste de Einstein

Faz parte dos 2% da população mundial que consegue resolver?

Shopping Racha Cuca »

R$ 35
R$ 35

Quebra-cabeça de Madeira - Progressivo - 4, 6, 9 e 12 Peças

R$ 45
R$ 45

Bingo Dos Bichos - 61 Peças - Crianças acima de 4 anos.

R$ 62
R$ 62

Jogo Tornado - Estilo Twister - Crianças acima de 4 anos.

R$ 25
R$ 25

Tangram em Madeira - 62 Peças - Crianças acima de 4 anos.