Imperialismo

Após a Segunda Revolução Industrial, por volta de 1860, ocorre uma grande mudança no contexto político e econômico da Europa. Agora quem está no poder é a burguesia, que cada vez mais impulsiona um avanço industrial, e porque não técnico cientifico, com o investimento em novas tecnologias como, por exemplo, na energia elétrica, no aço e no petróleo. Essa utilização de novas matérias-primas e fontes de energia causou um processo de democratização da industrialização, onde a Inglaterra estava prestes a perder o monopólio que detinha desde muito tempo, mas principalmente após primeira Revolução Industrial com as máquinas a vapor. Agora, a Bélgica desenvolvia sua indústria a partir de suas minas de ferro e carvão, a França com mais dificuldade devido a falta de minérios em seu território também promoveu mudanças no setor após Revolução 1789, a Alemanha e a Itália desenvolveram suas indústrias após processo de unificação política e etc.

Devido tal avanço, não tardou para que a escassez de matérias-primas se anunciasse, o mercado consumidor se encontrasse saturado e assim emergisse uma crise de superprodução, ou subconsumo, associada ao excedente demográfico desempregado, devido o uso de máquinas. A solução encontrada foi a colonização da África e da Ásia, lugares que poderiam facilmente oferecer mercado consumidor, matéria-prima e lugar para o excedente demográfico.

Neocolonialismo

Na África

O intuito era dominar por completo países daqueles continentes, para isso passaram a intervir politicamente, fazendo alianças com a finalidade de estreitar o relacionamento. Era inviável que isso ocorresse sem conflitos entre as potências envolvidas, pois cada qual reivindicava direitos por determinadas regiões. O ápice da corrida imperialista ocorreu em 1885, na Conferência de Berlim. Visando a partilha da África entre os países europeus segundo critérios industriais, onde França e Inglaterra ficaram com a maior parcela desse território devido ao maior avanço industrial, as potências acabaram por dividir o continente sem respeitar as diferenças sociais e culturais existentes, o que explica conflitos civis na região até hoje.

Foram utilizados vários pretextos para tal dominação, como por exemplo, o "fardo do homem branco", colocando o neocolonialismo como uma missão civilizadora humanitária, como um dever do homem branco de "civilizar" o bárbaro; e o "darwinismo social", onde a região que não se adaptasse ao capitalismo não ‘sobreviveria’, por assim dizer.

Na Ásia

Houve duas formas de colonização: a direta, onde a metrópole dominou colônia inteiramente, ou seja, política e economicamente; e a indireta, onde a metrópole domina apenas economicamente, havendo assim menos gasto.

Ingleses dominam a maior parte desse continente, incluindo a Índia, onde fizeram ruir a economia local devido à entrada dos produtos industrializados. Nesse contexto, o conflito mais marcante ocorreu em 1858, a Guerra dos Cipaios, onde a Índia passa oficialmente a integrar o império britânico.

Diferenças entre o Neocolonialismo e o 'velho' colonialismo

Vale ressaltar aqui as principais diferenças entre o Neocolonialismo e o "velho" colonialismo. Aquele ocorreu na virada do século XIX para o XX, tinha como alvo a África e a Ásia, seus objetivos em suma eram matérias-primas, mercado consumidor e alívio de contingente populacional, visando suprir interesses de uma burguesia industrial, de um capitalismo monopolista industrial. Esse ocorreu durante os séculos XV e XVI, tinha como alvo o Oriente e a América, onde os Estados Absolutistas visavam acumulação de metais preciosos e obtenção de especiarias tropicais, a mercê de um capitalismo mercantilista comercial.

Considerações Finais

A Inglaterra, nesse momento, possui o maior império colonial do mundo e a Alemanha, mesmo levando em conta seu gigantesco avanço industrial pós-unificação política, possui um pequeno império. A fim de ampliar seu espaço econômico, a Alemanha passa a pressionar as demais potências, o que constitui um dos fatores responsáveis pela eclosão da Primeira Guerra Mundial.

Exercícios sobre Imperialismo

(UEMT) O colonialismo do século XIX possui características que o diferenciam dos movimentos expansionistas europeus até então praticados. Sobre esse assunto, assinale a(s) alternativa(s) correta(s).

  • De maneira distinta da expansão européia dos séculs XV e XVI que privilegiou as terras americanas, os continentes africano e asiático tornaram-se alvo preferencial dos países europeus. x
  • Em plena Revolução Industrial o colonialismo europeu cumpria duas funções: de um lado a obtenção de matéria-prima; e de outro a busca de mercadis para os excedentes comerciais. x
  • Do ponto de vista geopolítico, o controle sobre regiões africana e asiática significava a garantia de prestígio faces às demais nações que participavam da partilha das áreas colonizadas. x
  • Privilegiando os investimentos de caráter social, o capital europeu melhorou de forma expressiva as condições de vida das populações africanas.

(FGV-SP) A Conferência de Berlim (1884/1885) marca o(a):

  • estabelecimento da unificação alemã e do II Reich;
  • reconhecimento da Itália como Estado Nacional Republicano;
  • Intervenção alemã na França após os 72 dias da Comuna de Paris;
  • partilha da África entre as nações européias; x
  • estabelecimento da unificação alemã e instauração da República de Weimar.

(UFPE) A expansão capitalista no século XIX ficou conhecida como imperialismo, e o domínio dos países europeus sobre a África e a Ásia foi denominado neocolonialismo. Sobre o resultado da junção desses dois fenômenos - o imperialismo e o colonialismo - na África e na Ásia, assinale a seguir a alternativa correta.

  • O imperialismo e o neocolonialismo ajudaram os povos africanos e asiáticos a saírem de seu atraso secular, possibilitando-lhes o acesso ao progresso tecnológico.
  • A segunda revolução industrial, o capitalismo monopolista e os ideais de progresso estão associados ao imperialismo, ao neocolonialismo e ao completo domínio dos Estados Unidos, no final do século XIX.
  • Os maiores beneficiários de todo o domínio imperialista e do neocolonialismo na Ásia e África foi a classe operária européia, em face do pleno emprego da indústria.
  • Através do imperialismo e do neocolonialismo, as elites econômicas e políticas inglesas construíram a imagem de que eram o modelo de cultura e civilização, a ser imitado em todo o mundo. x
  • Entre as nações da África, as que transferiram maiores quantidades de pedras preciosas para a Inglaterra foram Angola e Moçambique, em razão do neocolonialismo.
Bibliografia
  • CARVALHO, Platão Eugênio. Neocolonialismo: A Expansão Imperialista do Século XIX. Coleção Tudo é História.
  • CONRAD, Joseph. O Coração das Trevas. São Paulo: Hedra.

Marina Thaler Machado

História - USP

Confira também