Barroco

Estilo de arte que floresceu e se espalhou pela Europa no século XVII, o barroco surge como uma arte conflituosa, resultado das mudanças de pensamento de uma época. No século XVI três eventos importantes causaram uma mudança de pensamento que culminou no conflito do homem do século XVII: o Renascimento, a Reforma Protestante e a Contra-Reforma.

O Êxtase de Santa Teresa é uma escultura de  Bernini que representa as tendências do estilo barroco na arte.O Êxtase de Santa Teresa é uma escultura de Bernini que representa as tendências do estilo barroco na arte.

Renascimento

Com o Renascimento, o homem passou a enxergar-se como centro do Universo. Desenvolveu-se uma ideia onde o homem era capaz de dominar e transformar a natureza em sua volta, fugindo das ideias religiosas onde Deus era o centro do Universo e o único que poderia controlar tudo a sua volta. A razão humana se sobrepôs à fé, o pensamento crítico se desenvolveu, a ciência ganhou força.

Reforma Protestante

Junto a esses valores renascentistas, o pensamento político também mudou e começou a ser questionado: as Igrejas foram perdendo sua força e prestígio em meio a esse novo homem. A Reforma Protestante viria para quebrar o poder da Igreja, mostrando toda a corrupção por trás dela e fundando novas religiões, as quais foram aceitas porque iam de acordo com as ideias de algumas camadas da sociedade.

Contra-Reforma

Para conter a expansão do protestantismo e destas novas religiões, a Igreja Católica criou a Contra-Reforma: dogmas e princípios foram revistos e houve uma aproximação com a população. Os valores medievais voltaram a ser difundidos; a razão ficou em oposição à fé e ao pensamento cristão, onde Deus era o centro do Universo, criador e controlador de tudo no mundo. Este oposição entre razão e fé trouxe um homem de espírito conflituoso, que tenta colocar em sua arte as ideias e sentimentos contraditórios de sua época. Com isso, temos uma arte com elementos que contrapõem o espiritual e o material, o sentimento de fé e a razão, a culpa cristã e o elemento mundano.

Literatura barroca

A literatura barroca, para traduzir esta oposição entre fé e razão, mundo material e mundo espiritual, traz à tona uma literatura marcada pelo dualismo, com linguagem que monta um texto irregular, como o espírito dos artistas barrocos. Há um gosto pelas construções estéticas complexas, trazendo um texto marcado pela presença de figuras de linguagem como antíteses, metáforas, hipérboles e sinestesias.

Temas do barroco

O confronto de temas como amor e dor, vida e morte, obscenidade e refinamento, religiosidade e pecado, bem e mal é frequente.

Temas pessimistas em relação à vida terrena também são recorrentes na literatura barroca, além da ênfase na efemeridade do tempo: as coisas são breves no mundo, a vida terrena é efêmera, passageira e deve-se aproveitá-la ao máximo. Este pessimismo e ênfase na efemeridade do tempo traz ainda outro conflito: a vida é efêmera e passageira e devemos aproveitá-la ao máximo, no entanto, aproveitar a vida consiste em uma atitude terrena, consequentemente levando ao pecado.

O barroco no Brasil

No Brasil, o Barroco veio em 1601 e apropriou-se de características do Barroco português, já que o país era colônia de Portugal na época. Somente no século XVIII o Barroco ganhou impulso no Brasil com a fundação de academias literárias e como houve a descoberta do ouro, principal material da arte barroca brasileira.

Inicialmente, esta arte veio com os jesuítas, com o objetivo de moralizar a sociedade, que não era unida e ligada aos preceitos do catolicismo. Com o impulso que o Barroco sofreu no século XVII, houve uma adaptação desta arte aos elementos brasileiros e, na mesma época, o Barroco ganhou ares de critica à sociedade.

Algumas correntes defendidas por críticos literários defendem que o Barroco ligado aos elementos brasileiros foi uma das primeiras manifestações de literatura própria do Brasil.

Principais autores barrocos

Os principais nomes do Barroco são: Gregório de Matos, Padre Antônio Vieira, Bento Teixeira, Sebastião da Rocha Pita, Nuno Marques Pereira, Frei Itaparica e Botelho de Oliveira.

Exercícios de Barroco

(UFViçosa-MG/97) Assinale a alternativa que não apresenta uma correta definição do estilo Barroco:

  • A produção poética seiscentista expressou a tensão e a irregularidade de uma época conturbada por valores opostos.
  • Uma das temáticas determinantes da poesia do século XVII foi a efemeridade do mundo terreno.
  • A dialética da culpa e do arrependimento refletiu a inconstância da alma barroca.
  • O Barroco brasileiro adotou o racionalismo como um dos principais norteadores da vida e da arte. x
  • O jogo de idéias e de palavras confirmou-se como um dos aspectos preponderantes da estética barroca.

(UFV/99) Considere as afirmações que se seguem. Todas elas vinculam a poesia de Gregório de Matos aos princípios estéticos e ideológicos do Barroco brasileiro, exceto:

  • A vertente lírica da poética de Gregório de Matos cultuou o amor feito de pequenos afetos, da meiga ternura e dos torneios gentis, tendo como cenário o ambiente campestre e pastoril. x
  • O “Boca do Inferno” insurgiu-se não só contra os desmandos administrativos e políticos da Bahia do século XVII, mas contra o próprio ser humano, que, na concepção do poeta, é por natureza corrupto e mau.
  • Os poemas religiosos de Gregório de Matos fundiram a contemplação da divindade, o complexo de culpa, o desejo de arrependimento e o horror de ser pó, sensações, enfim, freqüentes no atormentado espírito barroco.
  • d) O significado social do Barroco brasileiro foi marcante, uma vez que a poesia de Gregório de Matos revestiu-se de alto sentido crítico aos vícios e violências da sociedade colonial.
  • e) A produção literária de Gregório de Matos dividiu-se entre a temática lírico-religiosa e uma visão crítica das mazelas sociais oriundas do processo de colonização no Brasil.

(UEL-PR/97) Nos sermões do Padre Vieira, o estilo barroco sustenta:

  • os ideais abolicionistas e republicanos.
  • denúncias contra movimentos emancipacionistas.
  • a propragação dos ideais da Reforma.
  • o entrelaçamento dos assuntos de fé aos históricos. x
  • um lirismo amoroso atormentado pela culpa.
Bibliografia
  • CAMPEDELLI, Samira Yousseff. Literatura – história & texto – vol 1. 8.ed. São Paulo: Saraiva, 2003.
  • CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Literatura Brasileira: ensino médio. 2.ed reform. São Paulo: Atual, 2000.
  • SERIACOPI, Gislaine Campos Azevedo; SERIACOPI, Reinaldo. História: volume único. São Paulo: Ática, 2005.
Crédito da imagem

Ana Gabriela Figueiredo Perez

Estudos Literários - Unicamp

Confira também