Renascimento Cultural

A partir do século XV, a Europa encontrava-se em um período de efervescência artística e científica, ocasionado pelas conquistas marítimas e seu desenvolvimento mercantil com a Ásia, o que garantiu um aumento considerável da camada burguesa da sociedade, que facilmente acumularam riquezas. Tal período, conhecido como Renascença, devido a redescoberta e valorização da cultura clássica, grego-romana, contou com um principal valor: o do Humanismo.

Renascença

O Humanismo valorizava o racionalismo (defesa do uso da razão em contra ponto com a cultura teológica medieval), o individualismo (liberdade individual, contra ponto ao coletivo dos feudos), o hedonismo (cultura do prazer imediato), o otimismo (pensamento positivo), o naturalismo (representação fiel da natureza), o neoplatonismo (resignificação das correntes filosóficas de Platão) e o antropocentrismo (o homem como o centro da Terra). Superestimando o uso da razão em detrimento aos valores medievais, que passaram a ser tidos como “bárbaros”, chegando a ganhar a errônea denominação de “Idade das Trevas”, o Renascimento teve como berço a Península Itálica, graças ao pioneirismo da região no renascimento comercial que proporcionou o enriquecimento das camadas burguesas, futuras patrocinadoras e financiadoras de artistas e intelectuais renascentistas. Tais burgueses passaram a ser conhecidos como mecenas. As principais cidades que desenvolveram as novas técnicas culturais foram Roma, Gênova e Veneza.

As Artes

É importante destacar as mudanças que ocorreram no campo das técnicas, principalmente no âmbito da pintura. Surge aqui a técnica da perspectiva, a pintura a óleo e o ideal de luz e sombra, o que associado aos novos estudos anatômicos proporcionou maior realidade às obras. Dentre os principais artistas da época, encontram-se figuras como Leonardo da Vinci, Rafael, Michelangelo e Botticelli.

Leonardo da Vinci

Nasceu no meio do século XV e morre no início do VXI, o pintor, escultor, matemático e engenheiro, traz consideráveis avanços para seu trabalho devido ao estudo detalhado do corpo humano que faz, marcado por um forte traço de realidade em suas obras. As principais são "Monalisa" e "Última Ceia".

Rafael

Contemporâneo a da Vinci, Rafael estudou na escola de pintura de Florença, e ficou muito conhecido pelas várias pinturas da Virgem Maria que fez. Entre suas principais obras temos: "A Ressurreição de Cristo" e "A Sagrada Família".

Michelangelo

Um pouco mais velho do que da Vinci, Michelangelo fez grande esculturas e pinturas durante a renascença italiana. Suas maiores obras foram escultura, como "Pietá" e "David", porém ficou mundialmente conhecido pela pintura do teto da Capela Sistina (Gêneses, Criação de Adão e Juízo Final).

Botticelli

Também contemporâneo, Botticelli pintou principalmente para grades famílias italianas. Suas principais obras foram "A Primavera" e "O Nascimento da Vênus".

Outras inovações

Importantes inovações também aconteceram em outros âmbitos. Por volto de 1450, Johan Gutenberg inventou o sistema de impressão, mecanismo que possibilitou a propagação de obras literárias de grande influência no cenário renascentista, como "A Divina Comédia", de Dante Alighieri, "Romeu e Julieta" de Shakespeare e "Dom Quixote", de Miguel de Cervantes. No campo das ciências, Copérnico demonstrou que o Sol era o centro do universo, e não a Terra como se acreditava, e um pouco mais tarde, Galileu Galilei inaugurará a ciência moderna, provando a teoria de Copérnico.

Bibliografia
  • DOURADO, Mecenas. "Erasmo e a revolução humanista". Rio de Janeiro: Ed. De Ouro, 1968.

Marina Thaler Machado

História - USP

Confira também