Tropicalismo

O Tropicalismo, ou Tropicália, foi um movimento cultural brasileiro surgido no contexto do 3º Festival de Música Popular Brasileira, em 1967. Esse movimento surgiu de uma fusão de influências nacionais e internacionais, como a Antropofagia, o Pop-Art e o Concretismo.

Contexto e Influências do Tropicalismo

A Tropicália e seus integrantes beberam de muitas fontes de influência, no rico contexto cultural da época. Suas principais influências foram a Antropofagia, o Pop-Art e o Concretismo.

Antropofagia

A Antropofagia foi um conceito criado por Oswald de Andrade em seu Manifesto Antropofágico (veja Modernismo no Brasil), em 1928. Consistia basicamente em um chamado para que o Brasil, ao invés de voltar-se inteiramente para dentro de si numa tentativa de criar uma arte ou cultura puramente nacionais, unisse as influências internas às influências externas, na época principalmente a música clássica européia, e criasse algo novo, de identidade brasileira mas também moderna, famosamente exemplificado na frase "Tupy or not Tupy, that is the question".

Pop-Art

O Pop-Art foi um movimento surgido primeiro na Grã-Bretanha, mas rapidamente migrando para os Estados Unidos, que buscava remediar a situação de crise da identidade artística no pós-Segunda Guerra, com um novo tipo de arte que exemplificasse tudo o que fosse mais popular entre uma população, desde utensílios domésticos e marcas de comida até personalidades famosas do cinema e da música, incorporando também uma estética destinada à causar choque ou estranhamento. Ao mesmo tempo, incorporava métodos de produção "industriais" à arte, produzindo quadros e imagens em séries repetidas, invertendo a valorização à "obra única".

Concretismo

O Concretismo foi uma corrente que inicialmente surgiu de uma defesa da racionalidade e em oposição à passionalidade do Expressionismo, mas logo incorporou preocupações estéticas com a "concretude" da poesia, isto é, dando forma ao texto não só com palavras, mas sim alterando a posição das próprias frases ou palavras no papel, formando desenhos ou representações, e muitas vezes abolindo completamente as convenções da estética poética (como linhas curtas ou estrofes).

O Movimento e seus Críticos

Em 1967, a TV Record realizava o 3º Festival de Música Popular Brasileira, que se dedicava a apresentar, divulgar e premiar os principais artistas de música brasileira do período. Ali se apresentaram os ícones do que viria ser o Tropicalismo: Gilberto Gil, Caetano Veloso, Tom Zé, Gal Costa e os Mutantes. Esses artistas promoviam performances esteticamente chocantes, protestando contra o "bom-mocismo" da música brasileira vigente.

Sua influência "antropofágica" se fazia ver musicalmente na convivência aparentemente discrepante entre a guitarra elétrica, a bateria, violinos e berimbaus, entre outros. Ou seja, uma mescla que apropriava instrumentos de vários gêneros musicais, como o rock, a música clássica, e as músicas tradicionais e regionais brasileiras, principalmente da Bahia.

Sua estética era bastante influenciada pelo Pop Art, com cores berrantes e desenhos com padrões inspirados por artistas como Andy Warhol, com interpretações brasileiras. Suas letras eram influenciadas pelo Concretismo, e possuíam características poéticas que trabalhavam o ritmo e a cadência dos sons, assim como letras com camadas complexas de significados, que requeriam um certo conhecimento do contexto cultural para serem melhor compreendidas. Carmen Miranda também se tornou um ícone estético do movimento, numa relação de incorporação do estereótipo tropical brasileiro, do qual ela foi um ícone na projeção para o exterior.

O movimento foi, todavia, duramente criticado, por artistas como Chico Buarque e Geraldo Vandré, por se preocupar excessivamente com questões estéticas em detrimento de questões políticas, que eram vistas como prementes no cenário do início da ditadura militar no Brasil. Os próprios artistas da Tropicália refutavam a necessidade de apresentar letras de protesto constantemente, e acreditavam que a estética podia ser em si um instrumento revolucionário.

Exercícios sobre Tropicalismo

(UNESP) Leia os seguintes versos.

Poesia

Sobre a cabeça os aviões
sob os meus pés os caminhões
aponta contra os chapadões
meu nariz

Eu organizo o movimento
eu oriento o carnaval
eu imagino o monumento
no planalto central
do país

Esses são versos iniciais da canção de Caetano Veloso que constituiu a matriz estética de um movimento musical do final da década de 60, de curta duração, em que, segundo estudiosos, "a preocupação política foi deslocada da área da revolução social para o eixo da rebeldia, da intervenção localizada, da política concebida enquanto problemática cotidiana, ligada à vida, ao corpo, ao desejo, à cultura em sentido amplo".

(Heloísa Buarque de Holanda e Marcos A. Gonçalves, "Cultura e participação nos anos 60".)

Esse movimento musical é conhecido como

  • Bossa Nova.
  • Concretismo.
  • Primitivismo.
  • Antropofagia.
  • Tropicalismo. x

(UFPE) O movimento tropicalista lançou novas idéias culturais no Brasil, influindo na transformação de concepções estéticas que predominavam naquele período. Pode-se destacar como Tropicalismo:

  • as obras musicais de Chico Buarque, que seguiam a tradição da bossa nova dos anos de 1950.
  • os filmes de Nelson Pereira dos Santos, com análises bastante renovadoras da sociedade brasileira.
  • as composições de Caetano Veloso, com experiências musicais renovadoras. x
  • a participação de Roberto Carlos, que empolgou a juventude da época com suas músicas.
  • os arranjos do maestro Júlio Medaglia, os quais quebraram a tradição musical existente. x

(UFF) 0 golpe de 1964 e o recrudescimento do regime militar após 1968 - 1969 atingiram também a produção de artistas e intelectuais brasileiros.

Assinale a opção que melhor explica o panorama cultural brasileiro nos chamados "anos de chumbo".

  • A censura do regime militar praticamente inviabilizou o cinema nacional, substituindo a criatividade do movimento conhecido como "Cinema Novo" pela filmografia hollywoodiana apoiada pela EMBRAFILME.
  • A prisão do teatrólogo Augusto Boal, em 1971, foi o emblema da perseguição à dramaturgia brasileira, doravante reduzida à encenação de peças estrangeiras.
  • A Universidade ficou a salvo da repressão política, exceto pelas invasões aos campi de algumas universidades, entre o final da década de 60 e o início da seguinte.
  • A repressão e a censura não conseguiram sufocar completamente as manifestações culturais do país, como demonstra a emergência, no plano musical, do movimento conhecido como "Tropicalismo". x
  • A coerência dos critérios censórios do regime militar explicitou-se, nitidamente, no episódio da proibição da publicação da Declaração da Independência dos Estados Unidos, fato só superado pela interdição de "Davi", a perigosa escultura de Michelangelo.

Pedro Padovani

História - USP

Confira também