Biomas do Brasil

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o território brasileiro está dividido em seis biomas. É denominado bioma um conjunto de vegetação de um amplo espaço territorial - com flora, fauna e condições geoclimáticas semelhantes – constituído de uma diversidade biológica única. Dessa maneira, os seis biomas brasileiros são: a mata atlântica, o cerrado, a caatinga, o pantanal, a floresta amazônica e os pampas.

O Brasil é o país com a maior biodiversidade do mundo, com mais de 70% de todas as espécies de fauna e flora existentes atualmente. As principais razões encontradas para explicar tanta biodiversidade são: o extenso território nacional e a diversidade climática e geográfica, que culmina também na existência de inúmeros polos de recursos naturais.

Deve-se ressaltar que há alguns autores que trabalham com um número maior de biomas. Adicionando a este grupo mais um ou dois biomas, que seriam os ambientes costeiros e a região da Antártida. Os biomas oficializados pelo Ministério do Meio Ambiente são:

Amazônia

Floresta AmazônicaA Amazônia (ou Floresta Amazônica) é o maior bioma brasileiro e a maior reserva ambiental do mundo.A Amazônia (ou Floresta Amazônica) é o maior bioma brasileiro e a maior reserva ambiental do mundo.

Com uma extensão de 4.196.943 km² – mais de 49% do território brasileiro – a Floresta Amazônica é o maior bioma brasileiro e a maior reserva ambiental do mundo, estando presente em nove estados brasileiros: Amazonas, Acre, Amapá, Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Maranhão, Pará e Tocantins.

Por sua extensa área, muitos autores subdividem a floresta em três grandes partes: igapós, várzea e mata de terra firme. A primeira parte representa as áreas alagadas pelas águas pretas, a segunda a parte alagada pelas águas brancas e a terceira representa a parte que não sofre inundações. Estima-se que mais de dois milhões de espécies vivam nessa região, com mais de duzentas espécies de árvore por hectare.

O clima é predominantemente quente e úmido, tendo uma temperatura média de 25ºC. Apresenta um índice fluviométrico elevado e constante, além de contar com a maior bacia hidrográfica do mundo: a Amazônica, que é responsável pelo escoamento de 20% de toda água doce do mundo. Seu relevo é em maioria plano, com o solo composto pelos sedimentos trazidos pelos inúmeros rios existentes na região. Sua vegetação é rica e variada, porém regularmente de alta estatura.

Pampas

PampasO pampa é caracterizado por gramíneas, arbustos e plantas rasteiras.O pampa é caracterizado por gramíneas, arbustos e plantas rasteiras.

Com uma área superior a 175mil km², os pampas são cobertos por gramíneas, especialmente por arbustos e ervas-mates, niveladas e são levemente ondulados. Esse bioma é característico do estado do Rio Grande do Sul, onde está presente em 63% do território local.

Predomina-se um clima frio, inclusive com temperaturas abaixo de zero, com um alto índice pluviométrico e frentes polares. Calcula-se que mais de três mil espécies vegetais estão presentes nesse bioma. É uma área característica de criação de gado, o que causa uma degradação da vegetação local. Atualmente ocorre uma migração para essa região visando o cultivo de Pinus e Eucaliptos.

Pantanal

PantanalTipicamente alagado, o Pantanal é uma planície pluvial e é considerado Patrimônio Natural Mundial e Reserva da Biosfera pela UNESCO.Tipicamente alagado, o Pantanal é uma planície pluvial e é considerado Patrimônio Natural Mundial e Reserva da Biosfera pela UNESCO.

O Pantanal é a maior planície inundável do mundo, com mais de 210mil km² de área total, sendo que 70% dessa área no território nacional, com os outros 30% presentes no Paraguai e na Bolívia.

Neste bioma ocorre periodicamente um processo de inundação e vazão - chamado de pulso de inundação – que ocasiona uma cheia de outubro a abril e seca no restante do ano. Esse processo promove inúmeras alterações na paisagem e no habitat local. A fauna local é diversificada, com aves que utilizam o bioma como “ponto de parada” em suas migrações, inúmeras espécies de peixes e animais aquáticos e mamíferos. A vegetação predominante é savana, com a cada vez mais presente aparição de lavouras e pastagens e seu solo é de baixa permeabilidade.

A paisagem pantanalense é instituída por diversos hábitat diferentes dentro de um só bioma, com inúmeros rios, campos alagáveis, matas e salinas.

Caatinga

CaatingaA Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro. Na seca, a maioria da vegetação perde as folhas e seus caules ficam esbranquiçados, daí a origem do seu nome: caa (mata) + tinga (branca) = mata brancaA Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro. Na seca, a maioria da vegetação perde as folhas e seus caules ficam esbranquiçados, daí a origem do seu nome: caa (mata) + tinga (branca) = mata branca

Com uma área de mais de 840mil km², a Caatinga está intensamente presente na região nordestina do país, mais precisamente em dez estados brasileiros: Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Bahia, Sergipe, Alagoas, Maranhão e Minas Gerais (o único estado não nordestino inserido na Caatinga).

Possuidora de um clima semiárido, esse bioma possui ambientes e espécies únicas no país que se adaptaram para sobreviver ao ambiente seco, árido e quente da Caatinga. A vegetação local é a savana estépica, espinhosa com plantas deciduais, que durante os dois períodos de secas perdem todas as suas folhas. Inserida no fluxo do Rio Parnaíba e São Francisco, chove-se apenas 600 mm por ano, o que torna os solos pobres e insalubres. A fauna da Caatinga é riquíssima, com forte presença de diversas e únicas espécies de insetos.

Cerrado

CerradoJunto com a Caatinga, é considerado a 'Savana Brasileira'. O Cerrado é o segundo maior bioma brasileiro.Junto com a Caatinga, é considerado a 'Savana Brasileira'. O Cerrado é o segundo maior bioma brasileiro.

O cerrado é o segundo maior bioma da América Latina e do Brasil, atrás apenas da floresta Amazônica, com mais de 2mi de km² de extensão. Percorre onze estados brasileiros, em quatro regiões diferentes. Tem duas faces durante o ano: de outubro a abril, recebe uma intensa quantidade de chuva, enquanto nos demais meses é um ambiente seco e sucessível a queimadas espontâneas.

Sua geografia se baseia em um extenso planalto com intensas chapadas. O clima é sazonal, com uma estação seca e uma temperatura variável de 20ºC até 27ºC. Seus solos são ácidos e pobríssimos em nutrientes, porém rico em alumínio. A vegetação primordial é a savana, com campos limpos até formações arbóreas.

Nesse bioma se encontra as nascentes das três maiores bacias da América do Sul: a Bacia Amazônica, São Francisco e Prata. O que evidencia todo potencial hídrico da região.

Mata Atlântica

Mata AtlânticaAs árvores das florestas da Mata Atlântica são tipicamente altas (~20 metros), com folhas largas e perenes.As árvores das florestas da Mata Atlântica são tipicamente altas (~20 metros), com folhas largas e perenes.

A Mata Atlântica é a segunda maior floresta neotropical, só perdendo para a Floresta Amazônica, do mundo. Com mais de 1mi de km², este bioma se fixa sobre uma antiga cadeia montanhosa presente na costa brasileira, além de uma parcela de planaltos e planícies litorâneas. Presente em mais de 15 estados brasileiros, em torno de 70% da população brasileira vive nesse bioma.

Seu solo é composto especialmente por rochas cristalinas, sendo em geral, raso, com pH ácido, úmido, pobre em nutrientes e com constante ocorrência de erosões. Possui um altíssimo e linear índice pluviométrico (chegando até a 4000mm/ano), umedecendo o ambiente. Possui uma enorme variedade de fauna, estando inclusive entre as cinco florestas com maior presença de espécies endêmicas. Sua flora merece enorme destaque, tendo somente na Serra do Mar a presença de mais de 800 espécies diferentes. Infelizmente, hoje a Mata Atlântica não representa 7% do que já foi um dia, pois sofre enormemente com ações destrutivas impostas pelos homens.

Bibliografia
  • VIANI, Ricardo Augusto Gorne; RODRIGUES, Ricardo Ribeiro (orient.); OLIVEIRA, Rafael Silva (coorient.). Atributos funcionais e a distribuição de especies do cerradão e da floresta estacional semi decidual. 2010. 135p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia, Campinas, SP.
  • ALHO, Cléber J. R.; GONÇALVES, Humberto C. Biodiversidade do Pantanal: ecologia & conservação. Campo Grande: Ed. UNIDERP, 2005. 142p
  • SILVA, José Maria Cardoso. Biodiversidade da caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente: UFPE, c2004. 382p
  • Biomas do Brasil - Portal do Governo Federal
  • Biomas do Brasil
  • Projeto Ecossistemas Costeiros - USP
Créditos das fotos

Gustavo Couceiro

Ciências Sociais - Unicamp

Confira também