Bacias Hidrograficas Brasileiras

O termo bacia hidrográfica é definido como a área na qual ocorre a drenagem e o escoamento da água originada pela chuva para um único ponto de saída, denominado de seção de controle. A água originada pelas demais fontes dessa região deságuam na mesma seção de controle, originando uma bacia hidrográfica. Desse modo, uma bacia hidrográfica é constituída por um ou mais rios principais e seus afluentes.

Devem-se ressaltar alguns conceitos constituintes de uma bacia hidrográfica para compreender seu funcionamento:

  • Seção de controle: Espaço de saída d'água onde ocorre a drenagem da água captada pela bacia hidrográfica;
  • Divisores de água: Linha divisória das bacias, encontrada no topo dos relevos. Determina o curso e a área de captação d'água;
  • Vertente: Declive por onde corre as águas dos rios afluentes, em sentido ao principal;
  • Rede de drenagem: Sistema capaz de drenar todos os corpos d'água superficiais. Subdivide-se entre natural e artificial. A natural são os rios e lagos, já as artificiais são os inúmeros tipos desenvolvidos pelos seres humanos.

O Brasil é um dos países mais ricos em bacias hidrográficas do mundo. Possui cerca de 15% das reservas de água doce de todo o mundo. Entre as principais bacias brasileiras destacam-se as seguintes:

Bacias Hidrográgicas do BrasilA localização e os principais rios das bacias hidrográficas brasileiras mais importantes.A localização e os principais rios das bacias hidrográficas brasileiras mais importantes.

Bacia Amazônica

Localizada na Região Norte, é a maior bacia hidrográfica do mundo, com uma área, em torno, de seis milhões de km², o que representa cerca de 40% no território nacional.

Além do Brasil, a bacia se estende a mais seis países: Bolívia, Peru, Guiana Frances, Guiana, Colômbia e Venezuela. Seu principal curso é o Rio Amazonas, com 6.570 km de extensão. É indispensável para o transporte dos moradores locais e de diversas commodities de exportação, como a soja, e possuidora de um gigantesco recurso hidrelétrico. Suas principais afluentes são: o rio Negro, Solimões e Xingu.

É posicionada paralelamente ao Equador, portanto recebe influência tanto do hemisfério Norte, como do Sul, o que ocasiona o máximo fluvial de um ao mesmo tempo da vazante do outro.

Bacia do Tocantins-Araguaia

Estabelecida na Região Norte e Centro-Oeste do país, tem como os principais fluxos fluviais o Tocantins e o Araguaia, que se unem na extremidade norte da Bacia, formando o Baixo Tocantins que deságua no Rio Pará.

O rio Tocantins possui uma área de drenagem de cerca de 767.000 km2, e nele está localizada umas das principais usinas hidrelétricas brasileira, a usina de Tucuruí.

Bacia do Nordeste (ou do Rio Parnaíba)

Fixada na região nordestina brasileira, mais precisamente nos estados do Ceará, Maranhão e Piauí, possui mais de 340 mil km². Seu principal rio é o Parnaíba, e por esse nome é que se tornou famosa a bacia. Os principais afluentes do Rio Parnaíba são: Gurgueia, Uruçuí-Preto, Poti e Canindé. Destaca-se pela piscicultura (criação de peixes).

Bacia do São Francisco

Iniciada no norte de Minas Gerais, a Bacia do São Francisco percorre um grande território na região do Nordeste, passando por Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe. Possui grande parte dos seus 650 mil km², assentada áreas de depressões.

Como o nome já indica, seu principal rio é o São Francisco. Por muito tempo um dos principais meio de transportes nacional, o São Francisco possui grande importância para a irrigação, navegação local e manutenção digna de milhares de famílias ribeirinhas dependentes do rio para a sua sobrevivência. Suas principais afluentes são: rio Pardo, Ariranha e Grande. Atualmente passa por um processo de instalação de polêmicas barragens em sua área.

Bacia do Paraguai

Localizada na região do Complexo do Pantanal, tem grande parte do seu território coberto com planícies. Seu principal rio é o que nomeia a Bacia, o Paraguai, que tem em torno de um milhão de km² e rodeia além do Brasil, Bolívia, Paraguai e Argentina. Destaca-se sua função hidroviária e o porto fluvial de Corumbá/MS.

Bacias do Leste

Com uma área de mais de 560 mil km², as bacias do Leste se fazem presentes em sete Estados brasileiros: Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Bahia, Sergipe e São Paulo. Destacam-se nessas bacias os rios: Jequitinhonha, Doce, Itapemirim, Iguape e Paraíba do Sul.

Bacia do Sul

Visando facilitar o conhecimento, a Bacia do Sul é subdivida em duas: Bacia do Uruguai e Bacia do Atlântico Sul.

A Bacia do Uruguai possui um território total de aproximadamente 385 mil km², sendo que cerca de 175 mil km² são em território nacional. Atravessa o estado de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e os territórios uruguaio e argentino. Em sua área predomina-se um relevo de planaltos. Evidencia-se seu potencial hidrelétrico e de irrigação local.

Já a Bacia do Atlântico Sul possui mais de 185 mil km² e percorre o Estado do Rio Grande só Sul. Seus principais rios são o Itajaí e o Jacuí, já que os demais são de curta extensão.

Bacia do Tietê-Paraná

Com uma extensão de cerca de 900 mil km², é basicamente planáltica e localiza-se na região Sudeste e Sul do Brasil. Seu rio prelado é o Paraná, que tem afluentes muito famosas como Tietê e a Paranapanema. Nesta Bacia encontram-se as principais usinas hidrelétricas do país: Itaipu (a maior do Brasil), Complexo de Urubupungá e Porto Primavera. Também se ressalta a hidrovia Tietê-Paraná, importante rota de navegação.

Exercícios de Bacias Hidrográficas

(FUVEST) O potencial hidroelétrico brasileiro é avaliado pela Eletrobrás em 200 milhões de quilowatts, os quais podem ainda ser ampliados se consideradas as pequenas quedas de água. Entretanto, em 1979, a potência instalada atingia apenas 28 milhões de quilowatts, pois há bacias hidrográficas com potencialidade muito pouco explorada, como:

  • Bacia do Paraná e Bacia do Paraguai
  • Bacia Amazônica e Bacia do Uruguai x
  • Bacia do Paraná e Bacia do São Francisco
  • Bacias do Leste e Bacia do São Francisco
  • Bacias do Leste e Bacia Amazônica

(UEL-2003) Bacia hidrográfica é a área abrangida por um rio principal e sua rede de afluentes e subafluentes.

Sobre as bacias hidrográficas brasileiras e sua utilização, é correto afirmar:

  • O potencial hidrelétrico da Bacia do Paraná é o mais aproveitado do país em função de sua proximidade com o Centro-Sul, área de maior demanda por energia elétrica. x
  • A Bacia Amazônica caracteriza-se pelo predomínio de rios de planalto e hidrografia pouco densa; por isso, a navegação fluvial é inexpressiva na região.
  • A navegação na Bacia do Tocantins ocorre sazonalmente devido ao regime de intermitência de seus rios.
  • A Bacia do Uruguai possui a principal hidrovia que integra política e economicamente os países do Mercosul.
  • A Bacia do São Francisco sofre grande impacto em função da transposição de seu rio principal.

(FGV-SP-2005) Assinale a alternativa que aponta, corretamente, uma dificuldade para o aproveitamento dos rios da Bacia Amazônica, no que se refere à geração de energia elétrica.

  • A baixa declividade ao longo de seus cursos, que, ao serem represados, causam grande impacto com o alagamento de grandes áreas florestadas. x
  • A navegação, uma das principais formas de deslocamento na região amazônica, é limitada em represas utilizadas para geração de energia elétrica.
  • A economia da região amazônica, baseada no extrativismo mineral, vegetal, na pecuária extensiva e ainda a ausência de indústrias, não gera grande consumo de energia elétrica.
  • O clima Equatorial, predominante na região amazônica, apresenta uma estação seca no inverno, que reduz a vazão dos rios e inviabiliza a produção de energia elétrica.
  • As entidades ambientalistas internacionais argumentam que as termoelétricas, que utilizam carvão vegetal, causam menos impactos ambientais à Floresta Amazônica do que as hidroelétricas.

(FAFEOD-MG/Adaptado) "É a mais extensa das três bacias que formam a grande Bacia Platina. Possui o maior potencial hidroelétrico instalado no Brasil."

O trecho acima citado refere-se à bacia do:

  • Uruguai.
  • Paraguai.
  • Itajaí.
  • Paraná. x
  • Jacuí.
Bibliografia
  • TEODORO, W.L.I ; TEIXEIRA, D; COSTA, D.J.L; FULLER, B.B. "Conceito de bacia hidrográfica e a importância da caracterização morfométrica para o entendimento da dinâmica ambiental local", São Paulo, Revista Uniara, nº20, 2007
  • CRISTOFOLETTI, Antonio. Geomorfologia. Ed. Edgard Blucher. Rio Claro, 1974.
  • Agência Nacional de Águas
  • Agência Nacional de Energia Elétrica
Crédito da imagem

Gustavo Couceiro

Ciências Sociais - Unicamp

Confira também